PT

Os fundamentos jurídicos da aliança Luso-Britânica encontram-se em três tratados do século XVI: o Tratado de Tagilde (10 de julho de 1372), o Tratado de Londres (16 de julho de 1373) e o Tratado de Windsor (de 9 de maio de 1386).

O Tratado de Tagilde, firmado na Igreja de S. Salvador de Tagilde (município de Vizela, distrito de Braga), entre o rei D. Fernando I de Portugal e os representantes de João de Gante, Duque de Lencastre e quarto filho do rei Eduardo III de Inglaterra, é considerado o preâmbulo da aliança que ainda hoje vigora. Durante mais de seis séculos de existência, a aliança Luso-Britânica superou as mais desafiantes contingências históricas, incluindo duas Guerras Mundiais, a ascensão e queda de impérios, revoluções e descolonização, multilateralização das relações internacionais, integração europeia e o fim da Guerra Fria.

 

Num presente marcado pelo Brexit, a Conferência Interdisciplinar "A Aliança Luso-Britânica: Balanço do passado e perspetivas de futuro", que terá lugar na Universidade do Minho (Braga, Portugal) de 6 a 9 de julho de 2022, assinala o 650º aniversário do Tratado de Tagilde com um espaço criativo de diálogo e de intercâmbio de conhecimentos entre investigadores de diversas áreas do saber. O encontro deverá permitir uma compreensão mais profunda do passado e do presente da aliança, assim como perspetivar possíveis reverberações futuras.

 

Este evento é organizado pelo Centro de Investigação em Justiça e Governação e pela Escola de Direito da Universidade do Minho, em associação com o Portugal-UK 650.

Ver detalhes da chamada para comunicações e painéis (data limite: 15 de janeiro de 2022aqui.

 

COORDENAÇÃO CIENTÍFICA

Alexandra M. Rodrigues Araújo (JusGov/Universidade do Minho), João Sérgio Ribeiro (JusGov/Universidade do Minho), Mário Ferreira Monte (JusGov/Universidade do Minho)

 

COMITÉ ORGANIZADOR

Alexandra M. Rodrigues Araújo (JusGov/Universidade do Minho), Patrícia Jerónimo (JusGov/Universidade do Minho), Allan Tatham (JusGov)

 

INSTITUIÇÕES PARCEIRAS

Centro de  História da Sociedade e da Cultura (Universidade de Coimbra); Centro de Investigação em Ciência Política (Universidade de Évora/Universidade do Minho); Instituto de Estudos Políticos (Universidade Católica – Lisboa); Universidade de Oxford.

 

----------------------

 

ENG

The legal foundations of the Anglo-Portuguese alliance are found in three treaties dating from the fourteenth century: the Treaty of Tagilde (10 July 1372), the Treaty of London (16 July 1376), and the Treaty of Windsor (9 May 1386).

 

The Treaty of Tagilde, signed at the Church of São Salvador of Tagilde (Vizela municipality, Braga district), by D. Ferdinand I of Portugal and the representatives of John of Gaunt, Duke of Lancaster and son of Edward III of England, is considered the preamble of the alliance that remains in force to this day. During more than six centuries of existence, the Anglo-Portuguese alliance has survived the most challenging of historical contingencies, including two world wars, the rise and fall of empires, revolution and decolonisation, the multilateralization of international relations, European integration and the end of the Cold War.

 

Today, in a context shaped by Brexit, the Interdisciplinary Conference "The Anglo-Portuguese Alliance: Tacking Stock of the Past and Envisioning the Future", which will take place at the University of Minho (Braga, Portugal) from 6 to 9 July 2022, marks the 650th anniversary of the Treaty of Tagilde with a creative space for dialogue and exchange of knowledge among researchers from different areas of knowledge. The conference aims to bring about a deeper understanding of the Anglo-Portuguese alliance, its past and present, and reflect on possible future reverberations.

 

The event is organised by the Research Centre for Justice and Governance and the School of Law of the University of Minho, in association with Portugal-UK 650.

 

See details of the call for papers and panels (the call will close on 15 January 2022here.

 

SCIENTIFIC COORDINATION

Alexandra M. Rodrigues Araújo (JusGov/University of Minho), João Sérgio Ribeiro (JusGov/University of Minho), Mário Ferreira Monte (JusGov/University of Minho)

 

ORGANISING COMMITTEE

Alexandra M. Rodrigues Araújo (JusGov/University of Minho), Patrícia Jerónimo (JusGov/University of Minho), Allan Tatham (JusGov)

 

PARTNER INSTITUTIONS

Centre for the History of Society and Culture (University of Coimbra); Research Centre in Political Science (University of Évora/University of Minho); Institute for Political Studies (Católica University – Lisbon); University of Oxford.